Sonhar que se voa

"Sonhei que era uma borboleta, voando no céu; então despertei. Agora pergunto, sou um homem que sonhou ser uma borboleta ou uma borboleta que sonha ser um homem?"

- Chuang Tzu

Partilhar

“Sonhei que era uma borboleta, voando no céu; então despertei. Agora pergunto, sou um homem que sonhou ser uma borboleta ou uma borboleta que sonha ser um homem?”

– Chuang Tzu

Muitas vezes sonhamos que voamos. Tudo começa por estarmos a caminhar e, por vezes espontaneamente, outras mediante um pequeno impulso, começamos a flutuar ou levitar e erguemo-nos acima do solo, começando a ver o mundo, as pessoas e as coisas a partir de cima, numa visão cada vez mais ampla e abrangente à medida que nos elevamos. Há experiências em que somos arrebatados para cima ou para baixo e a custo conseguimos controlar e dirigir o movimento. Há outras em que desde o início sentimos que podemos ir para onde quisermos, inclinando ligeiramente a cabeça e o corpo na direcção pretendida ou estendendo e unindo os braços e as mãos à nossa frente e apontando-os no sentido visado. Por vezes basta pensar num determinado lugar ou pessoa para nos encontrarmos imediatamente nele ou na sua presença, como se viajássemos vertiginosamente através do tempo e do espaço. Acontece atravessarmos paredes e obstáculos aparentemente sólidos, como se fôssemos absolutamente imateriais, apesar de mantermos uma certa percepção da nossa forma física. Sucede percorrermos vastas regiões desertas e luminosas ou nocturnas, vendo oceanos, rios, florestas e montanhas a partir do céu, como uma águia, ou então pairar acima de grandes cidades adormecidas, muito acima dos seus mais elevados edifícios. Por vezes vemos claramente as pessoas e tentamos descer, tocar-lhes e interagir com elas, mas não o conseguimos, como se estas não nos vissem e sentissem, como se as nossas mãos passassem através dos seus corpos. Outras vezes, menos frequentes, as pessoas parecem sentir-nos ou ver-nos e assustam-se e fogem. Seja como for, na sua grande maioria são experiências extremamente nítidas, poderosas e gratificantes, que oferecem uma sensação de liberdade quase infinita e que, ao acordar, recordamos demoradamente com saudade, sentindo o seu fim e privação como um limite infeliz das possibilidades do nosso ser, regressado à normalidade da vida quotidiana. O que é surpreendente é a frequência com que as sentimos tão ou mais reais do que aquilo que neste preciso momento percepcionamos e experienciamos.

Muitas explicações existem para este fenómeno, procurando reduzir o desconhecido ao que julgamos conhecer, como as teorias de inspiração psicanalítica e freudiana que falam destes sonhos como uma realização simbólica e sublimada de desejos que não se logram realizar na vida suposta real. Tradições antigas, como a do Yoga do Sonho tibetano, consideram estas experiências como a vivência de dimensões mais subtis e profundas do nosso ser e da nossa consciência, em que estamos mais despertos do sono da vida comum e recuperamos uma liberdade primordial, anterior à fixação num corpo de matéria aparentemente densa. Tal como nos voos chamânicos ou na experiência pós-morte, nesse intervalo ou espaço indeterminado entre uma existência e outra que em tibetano se designa como bar-do (entre-dois). Nesta perspectiva, tudo é um bar-do, pois estamos sempre em viagem, a meio-caminho entre uma coisa e outra, seja na vida, na morte, na meditação ou no sonho. Todavia, segundo esta tradição, para que estas experiências possam ser libertadoras há que tomar consciência, ao sonhar, de que sonhamos, o que é um despertar para as suas plenas possibilidades, mas sem acordar, pois nesta visão aquilo a que chamamos acordar é afinal adormecer num sonho mais denso e ilusório… Para que isto se torne possível há que nos treinarmos, em cada momento desta vida de vigília, supostamente real, a vê-la como um sonho. O que tem, aliás, a vantagem de sabermos que nele tudo é transitório e se pode modificar. Basta percepcioná-lo de outro modo e agir em conformidade, com evidentes vantagens espirituais e sociais.

Bons sonhos!